UMA TRAGÉDIA PARA OS NEGÓCIOS?

Por Virgílio de Mattos[1]

Logicamente que não poderia tratar de outra coisa, na entressafra de desgraças midiáticas entre o carnaval e a semana santa, sem que abordasse o tsunami da cobertura midiática sobre o evento idem.

Nó borromeu lacaniano

Nó borromeu lacaniano

A pouco vista NHK (aqui em casa só falamos uma meia dúzia de frases e a importantíssima: “tasketê dorobô[2]”) teve alguns programas de bate-papo difícil de entender, gente desdentada, faminta, sedenta e desesperada e não estávamos em nenhum BRIC ou país africano: era a poderosa economia do Japão que eu via sucumbir num mar de lama de água salgada e destroços. De engraçado mesmo só o braço de um técnico “vazando” reiteradamente no vídeo. Nada de reatores nucleares por aquele enquanto. Energia nuclear? Não, obrigado. Lembram-se da propaganda que fazíamos?

Mas uma coisa me chamou a atenção mais do que tudo: as hienas da “reconstrução”.

Um banco suíço falou em 50 bilhões (com bê mesmo) de dólares estado-unidenses e as hienas da “reconstrução” já viam “uma boa oportunidade de negócios”.

The Guardian, isso mesmo, aquele que disse que é a nossa legislação trabalhista que encolhe nossa economia e que o ideal é deixar, como dizia o escocês bandido, que a mão do mercado regule tudo, já vaticinou que é uma boa oportunidade para todos investir na “reconstrução” do Japão.

O que seria, então, uma tragédia? Uma tragédia não se escreve apenas com corações partidos, lares destruídos, incestos miúdos, heróis viajantes e mulheres suplicantes. Uma tragédia se faz com medo, desespero, destruição, mortes múltiplas e violentas.

Quem pode querer pensar em ganhar dinheiro com isso? Quem pode querer pensar em ganhar dinheiro em uma hora dessas?

Os mesmos de sempre.

O que seria, então, uma tragédia para os negócios? Que todo o dinheiro circulante se tornasse radioativo ou que a juventude começasse a ler mais Marx?

Karl Marx

Ich bin ja so mude!

Confesso-lhes que quando ouço ou vejo as hienas da reconstrução verem oportunidade de negócios em tudo, sinto um pouco de vergonha em pertencer à raça humana. Esses ambiciosos mamíferos bípedes, com seus polegares opositores… Será que foram feitos só pra contar dinheiro?


[1] – Do Grupo de Amigos e Familiares de Pessoas em Privação de Liberdade. Do Fórum Mineiro de Saúde Mental. Autor de Crime e Psiquiatria – Preliminares para a Desconstrução das Medidas de Segurança, A visibilidade do Invisível e De uniforme diferente – o livro das agentes, dentre outros. Advogado criminalista. virgilio@portugalemattos.com.br

[2] – “Pega ladrão”.

 

Esse post foi publicado em Coisas do mundo, Colaborações, Mídia. Bookmark o link permanente.

2 respostas para UMA TRAGÉDIA PARA OS NEGÓCIOS?

  1. Um micro exemplo, mas não menos trágico, ocorre com as hienas de Teresópolis, que jogam meias-verdades nas sequelas do caos culpando prefeito e administração, loucos para abocanharem a parte do dinheiro federal que será ainda destinado à reconstrução dos bairros atingidos. O dinheiro nem chegou e todos estão vigiando.

  2. Carlos Magalhaes disse:

    Na mesma onda >>> “Ouro sob o gelo – Um impacto inesperado do aquecimento global: o início de uma nova era de exploração das riquezas do Ártico” >>> http://goo.gl/v8muX

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s