Cinco personagens e um fio a traçar

Qual é o fio que liga as vidas desses cinco personagens? Não vou responder agora. Deixo as histórias para quem quiser pensar no assunto e tentar alguma resposta.

Sérgio, ao falar sobre o seu envolvimento com o crime, disse: “já trabalhei, mas ganhava muito pouco e não dava pra mim vivê não”.

Conta que começou a roubar porque morava na favela e via os meninos que roubavam andando arrumados e passou a roubar também, depois passou a vender drogas.

Meus envolvimento foi tipo assim, foi desde da infância, né. Porque tipo assim, porque onde que eu moro é uma favela, né? Pedreira Prado Lopes. Aí eu via todo mundo andando arrumadim, tudo, andando estribado, eu não tinha condições de comprar um tênis, uma roupa, minha mãe também não tinha. Aí os menino roubava e tudo, né? Aí eu entrei na vida do crime também, comecei a roubar. Aí do roubo eu passei para o tráfico. Traficava lá dentro da favela.

Sobre a motivação para o crime, Geraldo diferencia o sustento, no sentido de mera sobrevivência, de um conforto maior que, para ele, sua família merecia:

Mas ninguém qué vivê só pra sustentá, né? Eu conseguia sustentar a minha família, tanto que quando eu roubei esse cara que ele vendeu o caminhão dele eu nem tava usando droga mais, só tomava uma cerveja, assim. Mas eu queria dar um conforto melhor pra minha família. Pra minha mulher, pra minha filha. Tem que dá eles de tudo, né? Do bom que eles merece.

Rogério conta que começou no crime aos 12 anos de idade. Estudou “muito pouco”, até a segunda série do ensino fundamental. Envolveu-se com o crime porque estava passando por dificuldades financeiras em casa. Procurava emprego, mas não encontrava. Passou então a vender droga. Já esteve empregado: “Já trabalhei de servente, já trabalhei de repositor.

Márcio conta que começou a assaltar aos 16 anos de idade. Envolveu-se com assalto a mão armada. O motivo teria sido a revolta provocada pelo fato de terem roubado e assassinado seu amigo na favela. Alega, também, que precisava do dinheiro e por isso começou a praticar crimes. “A vida lá fora é foda”. “Se não robá eles não dá serviço… não tem jeito…”

 A família não tinha como me sustentar, né? Pela faixa salarial. Aí eu fui crescendo naquele mundo e fui interno de Febens, Funabens. Fui também conhecendo pessoas, né? A gente vai se envolvendo, né? Roubo, furto, né? Depois assalto, seqüestro, homicídio.

Fabrício considera que o pai nunca deixou faltar nada em casa, mas roubava porque queria mais do que o pai poderia dar:

O meu pai nunca deixou faltar pra mim não, mas eu sempre queria mais. Pra poder sair pro show, mulher, bebida, roupa, celular, arma, relógio, moto, carro. É isso aí que leva a gente a roubar, né?

 

Quino Dios

Deus (Quino)

 

Esse post foi publicado em Direitos Humanos, Sociologia do Crime, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Cinco personagens e um fio a traçar

  1. Virgilio disse:

    Grande texto, Carlos.
    Como é que anda a compilação disso?
    Temos que publicar – e urgente – tudo isso também em papel.
    Será que podemos fazer o lançamento no primeiro semestre de 2012?

  2. aiaiai disse:

    soco no estômago do nosso capitalismo consumista…me lembrou uma propaganda de danoninho. Uma criança ia na geladeira, pegava o danoninho e falava:
    – na sua casa não tem?

    Lembra disso?

  3. Mônica disse:

    Estou curiosa para saber o que vem depois. O que eu acho é que a gente tenta demais avaliar o “não sei o que” dos outros a partir do “não sei o que” da gente.

  4. Mônica disse:

    Parece existir um “eu sei bem o que” que talvez seja uma mesma fonte de muitas coisas. Só que o COMO de cada um não tem como uniformizar.

  5. Mônica disse:

    E mesmo esse “eu sei bem o que” é obscuro.

  6. Zé Paulo disse:

    O fio que liga cada uma dessas histórias é essa ideologia do consumo na qual a gente vive. Sempre tem um produto que precisa ser consumido, ou alcançado por esses consumidores potenciais. Esses produtos são colocados diante desses sujeitos diariamente e todos os momentos, como se todos tivessem acesso facilmente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s