E BUSH JÚNIOR?

Virgílio de Mattos

            “Não substituir o povo. A representação é uma impostura”

Muammar Al Kadhafi, no Livro Verde, p. 25

 “Toda una vida de caerse y levantarse para seguir peleando a corazón partido. Hasta que los tiempos cambian. El amor madura, el odio muta en dolor, se aprenden nuevas formas de lucha. Por los que vienen y por los que ya no están, los sobrevivientes renacen y vuelven a empezar, para no morir.”

Santiago O’Donnell, no Página 12 de hoje.

Trucidado em Sirte, sua terra natal, o governante líbio – herói de minha adolescência e de minha geração – resistiu até a morte. Uma sábia amiga muito querida, de mais idade e daquela região, censurou-lhe a “ingenuidade”. “Não estava armado? Tinha que ter se matado”.

Às vezes não dá. A maldade humana é pegajosa demais, é sensível a dinheiro demais é envolvente demais.

Kadhafi resistiu durante mais de quarenta anos (e, obviamente fez muita merda nesse tempo todo, mas olhe você para sua própria vida e perceba a quantidade de merda que já fez. Afinal merda literal a gente faz todo dia.). Assim como a Palestina está ocupada e resiste há quarenta anos, assim como meu amor pelo socialismo científico fez quarenta anos, assim como a primeira ação militar do ETA fez quarenta anos.

Os tempos mudam. A vida muda. A gente muda a vida e é mudado pela força inexorável da passagem do tempo.

Obviamente que só o passar do tempo vai aclarar quem foi o informante (a nacionalidade é marroquina e a profissão é mercenário) e quem foram os executores (sabe-se de paramilitares colombianos da temível organização de direita Autodefensas Unidas de Colômbia estiveram com o prisioneiro em seus últimos momentos e faziam relatos via rádio aos seus patrões do Qatar e EUA).

Não gostaria e não vou lembrar-me dele enxugando o abundante sangue que lhe escorre do lado esquerdo do rosto, ainda incrédulo, talvez, com o fim do fim tão próximo.

O desrespeito ao corpo morto não é nada comparado àquele sofrido pelo corpo ainda vivo.  Vi vários ferimentos de pequeno calibre (9 mm?) no tórax e dois no rosto (no frontal e logo acima do maxilar, do lado esquerdo) com “marca de tatuagem nas bordas” que é o que a gente aprende em medicina legal como característica principal de disparo à queima roupa.

Nenhuma comemoração a ser feita. A menos que você seja executivo de companhia de petróleo. Ou um filho da puta – ia escrevendo, mas refreei-me a tempo.

Um mártir. Viveu como um catalisador que fez de várias tribos um país. Morreu como um mártir.

Quero ver o que irá virar a Líbia, que com ele era um país. Um monte de tribos esparsas de novo?

Sob o jugo da potência hegemônica da vez?

Enquanto seus inimigos ainda comemoram não me canso de me perguntar: e o final de Bush Júnior, como será?

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para E BUSH JÚNIOR?

  1. Adeir Júnior disse:

    Bush Júnior será abduzido…

    Mas é provável que mesmo de lá ainda influencie a terra.

  2. Adeir Júnior disse:

    ♫ Sol, Mi, Dó, Mi, Sol, Dóóó… ♫

  3. Caceres disse:

    Bush Jr. vai morrer gordo e com a bosca escancarada cheia de dentes.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s